Os desafios da pós-modernidade

Os desafios da pós-modernidade – 21/06/2013 ◌ 00:08

Com a ainda crescente força da globalização, as pessoas se veem cada vez mais inseridas em uma estrutura de competição e instabilidade nas relações. Assim como fora visto por Zygmunt Bauman, as relações estão cada vez mais frágeis. E é na fragilidade do cotidiano que o homem muitas vezes entra em crise sem saber por onde ir, não se identifica com seu trabalho nem sequer com sua própria profissão, deixa sua vida pessoal como um segundo ou terceiro plano ante os objetivos mais “importantes” e, com isso, esquece que não basta ter um plano de carreira sem antes ter um “plano de vida”.

No eixo da estrutura do mercado capitalista, os valores em determinados momentos se invertem e passam das pessoas para os objetos, os papéis, os  bens de consumo e as representações inseridas no status da hierarquia social. Como um trabalhador pode viver de modo a valorizar cada ser humano que passa por um trecho de sua vida sem desconsiderar o peso da moeda competitiva que recai sobre a face de seus semelhantes? Como é possível quebrar a barreira do stress que consome cada segundo do pensamento e da saúde dos indivíduos?

Infelizmente, até agora, nenhuma ciência ou teoria fora capaz de responder e, ainda mais, solucionar efetivamente o que muitos já consideraram em tempos anteriores como “o mal estar da civilização”. Resta então a cada ser humano desafiar suas próprias capacidades contra as leis que desafiam seu estilo de vida. Não seria mais uma proposição hipócrita que pede a superação em nome de algum valor externo. Mas, seria uma dica dizer que é necessário tomar reflexões e atitudes críticas quanto a sociedade para que essa superação fosse a busca de seu próprio bem enquanto pessoa.

O resgate de sua integridade está nas várias possibilidades a serem encontradas em si mesmo. O milenar Sócrates contribuiu para essa ideia quando disse “conhece-te a ti mesmo”. Desse modo, se hoje a informação está mais que propagada pelas redes sociais e veículos de informação, há de se considerar que o conhecimento está na sua própria capacidade de usar essas informações para sua formação.

Thiago Sczcepanik