O estresse de não saber

O estresse de não saber – 03/08/2013 ◌ 23:59

 

Diante do excesso de informações, há quem se depara com o mal funcionamento de sua memória. É muito comum esquecer o óbvio por culpa de uma nova série de obrigações, informações e distrações que ofuscam o processamento simples das principais atividades. Segundo uma publicação de Leal (2010) na revista Mente & Cérebro, muitos chegam a vivenciar o que se conhece por síndrome do excesso de informação. Esta fadiga pode ocorrer quando o cérebro excede seus limites de processamento.

A modernidade estabelecida nas grandes metrópoles acaba por intensificar a quantidade de informação que o cérebro deve processar. As sinapses ocorrem em meio a uma enorme gama de interferências. São endereços, horários, datas, projetos, conferências, aulas, notícias e tudo mais que devem ser processados, armazenados e resgatados concomitantemente.

Não é difícil notar que, em meio a todas essas exigências, sua memória possa sofrer uma fadiga e você ter dificuldades para lembrar de uma informação ou perceber que esqueceu uma tarefa importante. Com o bombardeio simultâneo de informações dessa era digital, esquecer se deve em boa parte ao fato de que sua atenção não está totalmente focada em uma única coisa.

Como consequência, o estresse surge porque a pessoa não se sente capaz de realizar tudo o que precisa ou gostaria de fazer. Esse sentimento de frustração pode até se associar com uma depressão. Faz-se então essencial para a vida de qualquer pessoa não se sobrecarregar com muitas atividades que não serão possíveis de serem concluídas. Será preciso admitir que para fazer algo bem feito, em muitos casos, você precisará abrir mão de outras prioridades.

Thiago Sczcepanik

Referência Bibliográfica

LEAL, Glaucia. Epidemia silenciosa. Doenças do cérebro: estresse e ansiedade. Mente e cérebro. São Paulo: Duetto, v. 6, p. 6-11, 2010.